isso a que o mundo me obriga
: ser um pedaço de carne
indecepável da ideia
de um pedaço de carne
e como carne
cumprir as exigências:
dependurar-me na vitrine
de ganchos diletantes,
doar-me inteira ao
sutil carinho das moscas
{deixar que depositem seus ovos}
engravidar delas para, enfim,
inchar as fibras entre os dentes de alguém
verter o balé das hemáceas sobre a língua
de alguém ou
putrefar num coliseu de porcelana
desejada pelos olhos
que hão de me comer;

 

rio, agosto de 2011

Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , . Guardar link permanente.

...?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s