itinerário

a máquina em que mergulha um homem
sentado em suas dobras de leitura
_páginas amassadas
de um desejo jugular_
reclama sua envergadura
desnovelada do inverso das costas
onde toda sorte de sorte
e toda falta da falta
inscreve seu ciclo infinito
de explosões cotidianas:
a máquina e seus milímetros
expelidos no tempo
no tecido do mundo que escorre
entre pássaros desperdiçados
naquele caminho
que volta à casa.

Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado . Guardar link permanente.

...?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s